segunda-feira, 15 de maio de 2017

Fertilizações “invitro”: Nova arma da genética promete melhorar taxa de sucesso

A gravidez de uma mulher de 41 anos após um inédito rastreio genético, que aumentou consideravelmente as suas hipóteses de ter um filho, foi hoje recebida com grande entusiasmo nos meios de comunicação britânicos. É mais um avanço da genética ao serviço da reprodução, aplaudido pelos especialistas. Mais do que um bebé, gera-se assim mais uma boa dose de esperança para muitas mulheres.

Chamemos-lhe A. Segundo os relatos divulgados ontem A. tem 41 anos e um pesado historial de insucessos no seu passado reprodutivo. Registam-se dois abortos e 13 ciclos de Fertilização Invitro sem sucesso.

Os especialistas que a receberam na clínica Care Fertility Group, em Nottingham, sabem que a idade da mulher explica muitas interrupções espontâneas de gravidez e que muitas destas, por sua vez, são provocadas por anomalias cromossómicas. Optam assim por rastrear os 23 cromossomas que compõem o glóbulo polar do óvulo (espécie de satélite que fica do lado de fora do óvulo mas integrado nele) antes da fertilização e sabendo que a grande maioria das anomalias cromossómicas têm causa materna. Foram colhidos nove óvulos e apenas dois não apresentavam anomalias. Os dois foram implantados e um desenvolveu-se numa gravidez de sucesso.

Os avanços das técnicas de Procriação Medicamente Assistida (PMA) já tinham chegado a este ponto mas nunca com este alcance. A biópsia ao primeiro glóbulo polar é uma técnica de diagnóstico genético pré-implantação usada em certos casos e indicada, por exemplo, para mulheres com mais de 39 anos ou abortos de repetição. No entanto, nestes casos geralmente o rastreio é feito a apenas alguns pares de cromossomas, entre 5 a 12 pares (cada ovócito tem 46 cromossomas, 23 pares), sendo que a verificação de 8 pares será suficiente para cobrir 60 por cento das situações de patologia. O que os especialistas da clínica do Reino Unido fizeram foi um rastreio dos 23 cromossomas do glóbulo polar do óvulo de A., que depois foi fertilizado e implantado com sucesso no útero. Isso nunca terá sido feito antes.

O método poderá aumentar consideravelmente as taxas de sucesso da Fertilização “InVitro” (FIV). Os médicos que reclamam este sucesso falam mesmo na possibilidade de duplicar a taxa de PMA (passando da actual média de 25 por cento para 50 por cento).

O especialista Alberto Barros frisa que não conhece o caso em pormenor e acolhe o avanço com optimismo mas prudência. “É um passo importante, mais uma arma, um instrumento.” Reconhecendo que uma grande percentagem dos abortos acontece devido a anomalias cromossómicas e que a maioria tem causa materna, Alberto Barros nota, no entanto, que este rastreio genético é incompleto pois não abrange o conteúdo cromossómico do homem e não detecta eventuais anomalias no espermatozóide.


http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1357593
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos ...